domingo, 29 de janeiro de 2012

ainda...

oh doce sofrimento este
que teima em não desaparecer...


chove no meu corpo
e afoga-se-me a alma


num infinito incerto que já foi bom,
resta a saudade,
a esperança,
o amor.

3 comentários:

pinguim disse...

Versos ambíguos que revelam incertezas...

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Conheço-os. A esses sentimentos. E, contudo, precisamos de apostar mais em nós e, paradoxalmente, no outro, o que aindfa nao conhecemos mas que ficará para sempre na sombra se nao estivermos receptivos.

Vale mais apostar nas fotças que ainda temos para alavancar, do que para sarar feridas. Mas no entretanto, a tristeza é sempre uma tensao de equilibrio.

Força, amigo. Gostei da musica que envolve a alma como um bálsamo.

Hugo de Oliveira disse...

:)

Sentimentos ao rubro em breves frases!