quinta-feira, 12 de julho de 2012

De tanto que me ensinaste

guardo também o receio de amar.

4 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Bela expressão do sentir! Mas reveladora desse estado parado no tempo que se alimenta da saudade e do amor... Mas viver é sentir o bom e o mau, levar com dose de canhão e sentir a alegria estonteante de ser amado. Olhar para trás para curar feridas, para aperfeiçoarmos, mas não mais do que isso.

Que seja uma bonita saudade e nao um espinho doce que nos retira o presente para outro grande amor...

Um abraço. Assim______________

João Roque disse...

Nunca se deve ter receio do amor.
Um abraço...normal, igual aos que te dou quando te vejo...

Paulo Vasco Pereira disse...

Também eu tenho... mais do que receio. Eu tenho medo!
Abraço-te

. intemporal . disse...

.

.

. valha-me Deus,,, nem sei o que [te] dizer... . que coisa .

.

. * * * * * .

.

.